quinta-feira, 8 de março de 2018

Cada vez mais, por esta internet fora, encontramos sites com dicas de poupança. É verdade que a crise na qual mergulhamos há uns anos a...

6 DICAS PARA O AJUDAR A POUPAR

Sem comentários:
 

Cada vez mais, por esta internet fora, encontramos sites com dicas de poupança. É verdade que a crise na qual mergulhamos há uns anos ajudou a este 'boom' mas a verdade é que continuam a aparecer sites do tema, quer em português, quer em inglês. 

Confesso-vos que no meu top 5 estão alguns sites/blogues/canais de youtube americanos com dicas que valem ouro, neles inspiro-me muitas vezes.

Aquilo que hoje vos trago são algumas dicas e truques que vocês podem aplicar nas vossas vidas e melhorar a nível financeiro. Vejam e digam-me o que acham.

1. Faça um orçamento com alguns objectivos divertidos e interessantes

O orçamento desempenha um papel importante em qualquer planeamento financeiro. É com ele que nos mantemos orientados sobre que valor podemos gastar, poupar, usar para pagar as contas e para outras actividades. Por isso, criar um orçamento mensal pode tornar a sua vida financeira mais equilibrada e ajudá-lo a livrar-se das dívida.

Mas um orçamento pode tornar-se na coisa mais aborrecida da vida. Por isso criar metas divertidas e actividades de entretenimento é importante. 
Pode, por exemplo, estipular um valor para uma ida ao cinema mensal (ou a cada dois meses), um jantar ou outra coisa qualquer que lhe dê prazer. Pode também colocar uma meta, se conseguir poupar um certo valor naquele mês, no mês seguinte vão fazer algo que gostem. Alguma coisa do género para que a vida não se torne numa verdadeira monotonia.

2. Mantenha a conta poupança separada da conta à ordem

O motivo é simples, já dizia o ditado que 'olhos que não veem, coração que não sente'. O simples facto que ver ali as suas poupanças pode fazer com que pense em tirar algum dinheiro para cobrir alguma coisa e, quando der por ela, já gastou um valor que tão cedo não volta a colocar na poupança. Assim, mantenha as poupanças fora do alcance da vista e da tentação.


3. Compre apenas o que precisa e pode pagar

Esta dica pode tornar-se contraditória. Por exemplo, ainda no final do mês passado aproveitei uma promoção do Continente em azeite e acumulei com um cupão, assim fiz stock de azeite de qualidade a 2,26€/750ml. Mas, se para aproveitar as promoções vocês tiverem de mexer nas poupanças ou pior, usarem o cartão de crédito, não o façam! É preferível comprarem conforme necessitam e podem pagar, do que se estarem a endividar para fazer stock de um produto qualquer e no final do mês pagarem juros do cartão de crédito.
Aproveitar as promoções sim, mas com sabedoria para que não acabe com pagamentos extra.

4. Deixe os cartões de pagamento em casa

Sim, deixe todos os cartões de pagamento em casa, seja de crédito ou débito e pague sempre em dinheiro.
Qual é a diferença, perguntam vocês? É simples. Se no início do mês vocês levantarem um valor para, por exemplo compras de supermercado, e pagarem sempre a dinheiro vocês irão ver o valor a 'fugir' e terão uma real noção do que estão a gastar.
Tornou-se muito banal a passagem do cartão pelo leitor e já está, compras na mão. Assim perdemos completamente a noção de quanto gastamos e, só quando vemos os extratos é que percebemos do valor gasto. 
Paguem sempre a dinheiro e compre apenas aquilo que pode realmente pagar

5. Use o sistema dos envelopes

Eu comecei a usar este sistema em Outubro passado e irei aprofundar o assunto num vídeo a publicar brevemente. Mas posso deixar já uma breve explicação.
Tudo o que precisa é envelopes e uma caneta. Comece por criar um envelope para cada categoria (ex: supermercado, saídas, combustível, etc.) e estipule um valor para cada categoria. No início de cada mês coloque o valor dentro do envelope correspondente e guarde o cartão!
Depois de gastar todo o dinheiro do envelope não pode (não deve) usar seus cartões de débito e assim terá de guardar pelo próximo mês para voltar a colocar dinheiro no envelope. Isso irá ajudá-lo a gastar mais sabiamente.


6. Tenha um fundo de emergência

Este ponto é dos que considero mais importantes, todos devemos ter um fundo de emergência. Nem sequer me refiro a problemas graves de saúde, mas imagine que tem problemas no seu carro ou que aconteceu um problema qualquer e tem de fazer algum reparo em casa? Ter um fundo de emergência pode ajudar muito nestas situações. 
Especialistas dizem que esse fundo deve ser de, no mínimo, 1000€. Pode aproveitar os subsídios de férias para começar este fundo, mas já sabem, mantenham-no longe da vista!



Sem comentários:

Enviar um comentário